sábado, 23 de setembro de 2017

NOVA DISPOSIÇÃO MENTAL


Introdução
Uma orientação importante para qualquer tipo de pessoa que almeja o sucesso seja pessoal, espiritual, profissional, financeiro, familiar; é necessário maturação. Não se consegue isso da noite para o dia. É preciso tempo, dedicação e esforço. Entenda: o que significa ser “maduro”, aqui, não é sinônimo de ser “velho”, mas sim de ter experiências suficientes, que lhe confiram sabedoria para agir e errar menos.
A experiência é adquirida com trabalho, com esforço contínuo. Entretanto, os que preferem a zona de conforto, que leva à ausência de risco, também vai haver ausência de maturidade e sucesso. O livro de Provérbios traz um bom exemplo: “Não havendo bois, o estábulo fica limpo, mas pela força do boi há abundância de colheita” (Provérbios 14.4). A escolha é sua: Trabalhar mais ou trabalhar menos. Ampliar a colheita ou não.
Aqui vai uma pergunta para sua reflexão:
Você normalmente aprecia uma casa organizada, tudo em seu devido lugar?
Você fica feliz em ver seus filhos desarrumando a casa? Bem, em tão pensa em um estábulo onde há bois, o que você vai encontrar todos os dias?
Esse texto traz uma alegoria, figura de linguagem: “O boi no celeiro e a colheita”.
O celeiro é sempre organizado quando não temos movimento dentro dele, ou seja: ausência de atividades. Podemos aplicar essa alegoria em nossa vida diária, bem como na vida da igreja de Cristo.
Parece que muitas vezes a organização tira o dinamismo das organizações, instituições, igrejas e famílias. Se quisermos ordem, basta não colocar os bois para se movimentar, mas, como consequências não terão abundância de colheita.
Reflexão: “Plantar desorganiza, desestrutura, gera “bagunça”“.
Temos que mexer a terra, para organizar o adubo, colocar o arado na plantação. O arado causa desordem na terra; ela é movida de seu lugar natural. Quando colocamos o boi no celeiro, nossos pés vão se enlamear, o celeiro passará por uma crise organizacional. Assim Deus faz conosco, tira-nos da nossa zona de conforto, colocando desafios para nos incomodar, para nos mexermos, para produzirmos aquilo que ele deseja para nos e no seu Reino. Agostinho afirmou: “Quando Deus se agita, o homem se levanta”.

Considere o exemplo de Moisés. Ele tem uma vida muito organizada: convivência com grandes banquetes, festas e encontros com diplomáticos, príncipes e governadores. Egito era a maior potência do mundo de então. De repente seu mundo se encontra “cabeça para baixo”. Vai para o deserto, como fugitivo, tentar encontrar uma nova forma de sobrevivência. Ele não conhecia o calor do deserto, nem as agruras dos escravos, nem o que significava lutar por sobrevivência. Agora, no entanto, encontra-se ali, tentando se encontrar a si mesmo. É bem verdade que muitos se perdem nessa busca.

“Confusão”: Esse é o processo de Deus em nossa vida.
Maria vivia uma vida de devoção e piedade. Não há nada de extraordinário nisto. Muitas foram às pessoas anônimas da história que viveram desta forma. Era uma moça pobre da Palestina, estava noiva de um rapaz conhecido da família. Sua história seria o casamento com este rapaz, ter uma pequena casinha em Nazaré, criar filhos, ver seu esposo ensinando sua vocação aos filhos, longe de qualquer agito e badalação, totalmente desconhecida por todos. Mas um dia, aparece diante dela um anjo: “Alegra-te muito favorecida, o Senhor é contigo... conceberás e dará a luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus” (Lc 1.18,31).
“Confusão” nos dá perspectivas antes ignoradas, e nos revelam portas não consideradas.
Do plano Collor, que se deu em 2008, quando uma grande crise financeira atingiu todo sistema global de economia, estima-se que três milhões de brasileiros tenham deixado o Brasil. Sendo que um 1/3 dos mesmos foi para os Estados Unidos. Esta “confusão” desarticulou muitos, e em alguns casos foi extremamente complexo, mas abriu um enorme leque de possibilidade e oportunidades para muitos.
Deus usa situações catastróficas para gerar nova vida em Cristo.
O antigo ideograma chinês usado para a palavra crise vem da junção de duas palavras: Oportunidade e perigo. Tudo depende da sua disposição mental.
Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Romanos 12:2
Em meio a toda essa desordem, Deus vai te dar uma grande colheita!
“Deixe Deus trabalhar nessa desordem da sua vida. É nessa desordem que você vai criar uma nova disposição mental. Deus vai te dar algo significativo pra sua vida, Se não for um carro novo, um novo empreendimento, uma casa nova, mas, com certeza Ele vai te dar um novo coração e uma mente renovada depois dessa “bagunça” na sua vida”.
Dirigindo-se aos seus discípulos, Jesus acrescentou: “Portanto eu lhes digo: não se preocupem com suas próprias vidas, quanto ao que comer; nem com seus próprios corpos, quanto ao que vestir”.
A vida é mais importante do que a comida, e o corpo, mais do que as roupas.
Observem os corvos: não semeiam nem colhem, não têm armazéns nem celeiros; contudo, Deus os alimenta. E vocês têm muito mais valor do que as aves!
Lucas 12:22-24
As aves de rapina, “chamados os rapinantes”, tem bicos encurvados e tem um cardápio sinistro: Gostam de carnes em decomposição; e Deus é que prepara o seu cardápio.
Os lírios do campo que a todos encantam com sua beleza e perfume, também é Deus que os veste e cuida da sua beleza, más, vindo o sol perecem.



A GRAÇA REVELADA EM CRISTO


E Jesus, clamando outra vez com grande voz, rendeu o espírito.
E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras;

Introdução:
O véu trazia uma separação entre um Deus Santo e os pecadores. Somente o Sacerdote podia chegar à presença de Deus, sendo assim sempre que o homem pecava precisava de um intermediário (sacerdote), para pedir perdão por meio de um sacrifício de um animal.
O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.
E, vendo passar a Jesus, disse: Eis aqui o Cordeiro de Deus.
João 1:36
Com a presença física de Jesus, temos agora não só o “Cordeiro de Deus”, mas também o Sacerdote que vai fazer a apropriação do oferecimento do sacrifício, que era feito sobre as doze pedras, que representava as doze tribos de Israel e a lenha, que produzia o fogo da ira de Deus contra o pecado da humanidade.
A Cruz atende plenamente todo esse pré-suposto exigido pela lei mosaica.

Antes que a fé fosse revelada na pessoa de Cristo, estávamos sob a custódia da lei, nela estávamos preços em nossos delitos e pecados, até que a fé haveria de vir e fosse revelada, na ressurreição de Jesus. Estávamos presos ao cerimonial do sacrifício de um animal, que na verdade não produzia a remissão dos nossos pecados, apenas o sangue do animal imolado pelo sacerdote encobria os nossos pecados e assim permitia que um homem pecador pudesse se relacionar com um Deus santo sem ser fulminados.
Assim, a lei foi o nosso tutor até Cristo, para que fôssemos justificados pela fé. Tutela é a condição de quem se encontra sob a proteção de outra pessoa ou instituição: ele tem a custódia de uma pessoa menor de idade, que ficou órfão por uma fatalidade da vida.  Estávamos de baixo da Guarda da lei; essa é uma ação ou efeito de proteger, de livrar ou proteger alguém do perigo.  É a Ação ou efeito de proteger; apoio ajuda socorro: a proteção da lei. 
Agora, porém, tendo chegado à fé por meio do Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, já não estamos mais sob o controle do tutor a (lei). Todos que receberam Jesus Cristo como seu mediador e Senhor, se tornaram filhos amados de Deus, mediante adoção em Cristo Jesus (Gálatas 3:23-26)
SIGNIFICADO DA CUSTÓDIA
Custódia acontece quando o filho é abandonado por um dos cônjuges, que são seus pais, quando abandonados por ambos o estado assume custódia (proteção legal) para o amparo.
A Cruz se tornou a nossa custódia, ou seja, garantia e proteção, ou seja, não estamos mais de baixo do controle do tutor. A lei era a nossa custodia, mas ficou enferma porque os homens não conseguiram cumprir a lei, e ao invés de proteger passou a condenar; agora sob custódia da Cruz, somos por ela protegidos da condenação dos homens, do Diabo e da morte eterna.
Significado de Tutor
Aquele que exerce a tutela, sendo legalmente responsável por quem não atingiu a maioridade.
Aquele que defende; quem protege alguém; protetor. Que pode exercer a tutela, judicial nos defendendo da acusação.
Estar aos pés da Cruz, ainda é o melhor e mais seguro para todos os homens. Carregar a Cruz é estar protegido e amparado sobre custódia. Crucificar diariamente o nosso EU é uma condição essencial para uma vida que recebe proteção diária, é uma garantia de uma vida vitoriosa.


Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça.
Pois que? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum.
Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?
Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues.
E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.
Romanos 6:14-18

INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA


“Aqueles que não creem e não aceitam a inspiração da Bíblia é porque estão nas trevas”
Introdução:
O Antigo e o Novo Testamento, que na antiguidade eram conhecidos pelas nações na língua (grega), foram divinamente inspirados por Deus, pelo singular cuidado e providencia, conservados em seu original pelo povo de Deus; por isso podemos ler e examinar as escrituras no temor de Deus, de maneira aceitável  pela paciência e consolação do Espírito Santo, que produz em nossos corações esperança.
Mas, se alguns não foram fiéis, será que por isso Deus vai ser infiel? De modo nenhum! Que Deus continue a ser verdadeiro, mesmo que todas as pessoas sejam mentirosas. Como dizem as Escrituras Sagradas a respeito dele: “Que fique provado que tu tens razão quando falas e que seja vencedor”. (Romanos 3.3,4)
Existe uma regra infalível de interpretação das Escrituras, que é a própria Escritura. Portanto, sempre que houver dúvidas quanto ao verdadeiro e pleno sentido de qualquer passagem, deve ser examinada em confrontação com outras passagens bíblicas.
Acima de tudo, porém, lembrem-se disto: ninguém pode explicar, por si mesmo, uma profecia das Escrituras Sagradas. Pois nenhuma mensagem profética veio da vontade humana, mas as pessoas eram guiadas pelo Espírito Santo quando anunciavam a mensagem que vinha de Deus. (2 Pedro 1.20,21)
O Juiz supremo (Deus), pelo seu espírito, resolve toda e qualquer controvérsia religiosa por meio de seu decreto de conciliação, porque Ele examina as opiniões dos homens e prova o espírito para saber de onde ele procede. A sagrada escritura foi entregue ao Espírito Santo, e é Ele que vela (cuida), para que seja cumprida integralmente até o final.
Jesus, porém, respondendo, disse-lhes: Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus. (Mateus 22:29)
Existem os livros comumente chamados (Apócrifo que significa falso, suspeito). Não tem inspiração divina, nem fazem parte do cânon ou compêndio das escrituras. Esses livros não tem nenhuma autoridade sobre a igreja de Deus, e nem podem ser de modo nenhum,serem utilizados sobre quais quer pretexto.
Livros Apócrifos:
Apocalipse de Adão
Apocalipse de Baruc
Apocalipse de Moisés
Apocalipse de Sidrac
Samuel Apócrifo
As Três Estelas de Seth
Ascensão de Isaías
Assunção de Moisés
Caverna dos Tesouros
Epístola de Aristéas
Livro dos Jubileus
Martírio de Isaías
Oráculos Sibilinos
Prece de Manassés
Primeiro Livro de Adão e Eva
Primeiro Livro de Enoque
Primeiro Livro de Esdras
Quarto Livro dos Macabeus
Revelação de Esdras

Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. E isso para que o servo de Deus esteja completamente preparado e pronto para fazer todo tipo de boas ações. (2 Timoteo 3.16,17)

Pelo testemunho da igreja de Deus desde a antiguidade, podemos ser persuadidos a ter em alto e relevante apreço as Sagradas Escrituras. A santidade do assunto, a eficácia da sua doutrina, a majestade do estilo, a harmonia de todas as partes, o propósito evidencia a glória de Deus, por meio de sua palavra na completa perfeição da sua completa perfeição nos argumentos. Com tudo, a nossa plena autoridade provêm da operação do Espírito Santo, que pela palavra e com a palavra testifica aos nossos corações que ela é a verdade infalível dos Deus invisível.

Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir.
Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu, e vô-lo há de anunciar. (João 16:13,14)

 Conclusão:
Todo conhecimento de Deus, concernente a todas as coisas necessárias para a sua própria glória, para a salvação do homem, a fé e a vida, está expressamente declarado na sagrada Escritura.
Entretanto, reconhecemos ser necessária a iluminação interior do coração do homem, por intermédio do Espírito santo, para compreensão daquilo que Deus deseja revelar para salvação, por meio da palavra revelada.
Reconhecemos que em algumas circunstâncias no governo da igreja, costumes humanos e culturas e peculiaridades de uma sociedade, ordenadas pela luz da natureza do Espírito Santo, agiram com prudência cristã; viveram em obediência e observância da palavra revelada.

Todavia, como está escrito: "Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam";
(1 Coríntios 2:9)





Páginas