sexta-feira, 20 de abril de 2018

A Tenda do Encontro



Texto : Êxodo 33:7-23


Introdução 
Moisés costumava montar uma tenda do lado de fora do acampamento; ele a chamava Tenda do Encontro. Quem quisesse consultar o Senhor ia à tenda, fora do acampamento. Sempre que Moisés ia até lá, todo o povo se levantava e ficava em pé à entrada de suas tendas, observando-o, até que ele entrasse na tenda. Assim que Moisés entrava, a coluna de nuvem descia e ficava à entrada da tenda, enquanto o Senhor falava com Moisés. Quando o povo via a coluna de nuvem parada à entrada da tenda, todos prestavam adoração em pé, cada qual na entrada de sua própria tenda. O Senhor falava com Moisés face a face, como quem fala com seu amigo. Depois Moisés voltava ao acampamento; mas Josué, filho de Num, que lhe servia como auxiliar, não se afastava da tenda.

Moisés diante da Glória de Deus
Disse Moisés ao Senhor: “Tu me ordenaste: ‘Conduza este povo’, mas não me permites saber quem enviarás comigo. Disseste: ‘Eu o conheço pelo nome e de você tenho me agradado’. Se me vês com agrado, revela-me os teus propósitos, para que eu te conheça e continue sendo aceito por ti. Lembra-te de que esta nação é o teu povo”.

A Bíblia diz que é possível a todo crente ver a glória do Senhor. De fato, Deus diz que irá revelar a Sua glória a todos que O buscarem para vê-la. Por que nos é importante ver e compreender a glória de Deus? É porque a revelação da Sua glória tem o objetivo de equipar o povo para as tempestades da vida. Segundo Paulo, tal revelação “tem poder para vos edificar e dar herança entre todos os que são santificados” (Atos 20:32).


Respondeu o Senhor: “Eu mesmo o acompanharei, e lhe darei descanso”.
Todos nos sentimos cansados diante dos desafios do mar da vida. Navegamos sobre ondas bravias, em uma frágil embarcação que pode comprometer a nossa existência, colocando em risco os nossos sonhos, projetos, presente e o futuro. Quando clamamos pelo socorro do Altíssimo, o que esperamos receber dEle, se não uma palavra que anime o nosso coração oferecendo meios e recursos naturais e sobre naturais para chegarmos em um porto seguro, não é?
Sendo Deus o mesmo de ontem, hoje e permanece eternamente, porque seu caráter é imutável, e a sua palavra afirma que não tem sombra e nem variação, então podemos confiar em sua promessa que nos garante de estaria conosco todos os dias até a consumação dos séculos.

Então Moisés lhe declarou: “Se não fores conosco, não nos envies. Como se saberá que eu e o teu povo podemos contar com o teu favor, se não nos acompanhares? Que mais poderá distinguir a mim e a teu povo de todos os demais povos da face da terra?”

O Senhor disse a Moisés: “Farei o que me pede, porque tenho me agradado de você e o conheço pelo nome”.

Todos desejamos ter essa oportunidade, de pedir a Deus algo em que ele nos assegurasse a certeza de que seriamos atendidos, em qualquer que fosse a nossa petição; no entanto é importante observar-nos que precisamos pagar o preço de uma caminha no deserto, em que desenvolvemos total dependência no Deus da provisão. Queremos ter os benefícios da sua presença e promessa, no entanto não estamos disposto a pagar o preço do deserto.


Se você pudesse pedir algo a Deus o que você pedéria?
Então disse Moisés: “Peço-te que me mostres a tua glória”.

E Deus respondeu: “Diante de você farei passar toda a minha bondade, e diante de você proclamarei o meu nome: o Senhor. Terei misericórdia de quem eu quiser ter misericórdia, e terei compaixão de quem eu quiser ter compaixão”. E acrescentou: “Você não poderá ver a minha face, porque ninguém poderá ver-me e continuar vivo”.

E prosseguiu o Senhor: “Há aqui um lugar perto de mim, onde você ficará, em cima de uma rocha. Quando a minha glória passar, eu o colocarei numa fenda da rocha e o cobrirei com a minha mão até que eu tenha acabado de passar. Então tirarei a minha mão e você verá as minhas costas; mas a minha face ninguém poderá ver”.
Assim como Deus disse a Moisés, também está dizendo a cada crente e salvo em Cristo Jesus: Há um ligar seguro em minha presença (tenda). Há um lugar seguro em cima de uma rocha: Cristo. Não podemos ver a glória de Deus em qualquer lugar, Ele é que escolhe o lugar pelo qual vai passar e manifestar a sua glória para no´s.

As Novas Tábuas da Lei
Disse o Senhor a Moisés: “Talhe duas tábuas de pedra semelhantes às primeiras, e nelas escreverei as palavras que estavam nas primeiras tábuas que você quebrou. Esteja pronto pela manhã para subir ao monte Sinai. E lá mesmo, no alto do monte, apresente-se a mim. Ninguém poderá ir com você nem ficar em lugar algum do monte; nem mesmo ovelhas e bois deverão pastar diante do monte”.

Temos que estar prontos, no inicio do dia para subir ao monte. Isso fala do nosso  TSD -Tempo a Sós com Deus. Temos que ter o nosso próprio altar de comunhão e adoração a Deus logo pela manhã. Esse lugar deve ser de um culto contemplativo, onde podemos glorificar a Deus pela sua obra da criação e pelos seus feitos extraordinário e maravilho.

Assim Moisés lavrou duas tábuas de pedra semelhantes às primeiras e subiu ao monte Sinai, logo de manhã, como o Senhor lhe havia ordenado, levando nas mãos as duas tábuas de pedra. Então o Senhor desceu na nuvem, permaneceu ali com ele e proclamou o seu nome: o Senhor.
Temos que reconhecer nesse encontro os atributos de Deus, descritos no culto contemplativo de Moisés, no monte e diante das tábuas da Lei de Deus.

E passou diante de Moisés, proclamando:
Senhor, Senhor,
Deus compassivo e misericordioso,
paciente, cheio de amor e de fidelidade,
que mantém o seu amor a milhares
e perdoa a maldade,
a rebelião e o pecado.
Contudo, não deixa de punir o culpado;
castiga os filhos e os netos
pelo pecado de seus pais,
até a terceira e a quarta gerações”.

Rendição:
Imediatamente Moisés prostrou-se, rosto em terra, e o adorou, dizendo: “Senhor, se de fato me aceitas com agrado, que o Senhor nos acompanhe. Mesmo sendo esse um povo obstinado, perdoa a nossa maldade e o nosso pecado e faze de nós a tua herança”.

A Renovação da Aliança
“Faço com você uma aliança”, disse o Senhor. “Diante de todo o seu povo farei maravilhas jamais realizadas na presença de nenhum outro povo do mundo. O povo no meio do qual você habita verá a obra maravilhosa que eu, o Senhor, farei. Obedeça às ordens que hoje lhe dou. Expulsarei de diante de você os amorreus, os cananeus, os hititas, os ferezeus, os heveus e os jebuseus. Acautele-se para não fazer acordo com aqueles que vivem na terra para a qual você está indo, pois eles se tornariam uma armadilha. Ao contrário, derrube os altares deles, quebre as suas colunas sagradas e corte os seus postes sagrados. Nunca adore nenhum outro deus, porque o Senhor, cujo nome é Zeloso, é de fato Deus zeloso.

“Acautele-se para não fazer acordo com aqueles que já vivem na terra; pois quando eles se prostituírem, seguindo os seus deuses e lhes oferecerem sacrifícios, convidarão você e poderão levá-lo a comer dos seus sacrifícios e a escolher para os seus filhos mulheres dentre as filhas deles. Quando elas se prostituírem, seguindo os seus deuses, poderão levar os seus filhos a se prostituírem também.

Acautelar-se, é cuidar de si mesmo e dos outros: avisar do perigo eminente. Qual era o perigo:
1- Adoração prostituída a deuses estranhos - não oferecer e também não receber;
2- Casamento com jugo desigual. Essa contaminação levaria os filhos de Deus ao abismo procrastinação.

“Não faça ídolos de metal para você.

“Celebre a festa dos pães sem fermento. Durante sete dias coma pão sem fermento, como lhe ordenei. Faça isso no tempo certo, no mês de abibe[a], porquanto naquele mês você saiu do Egito.

O povo de Deus é convidado a uma celebração em que o elemento principal deveria o asmo da sinceridade, auto exame de sua consciência pecaminosa. O fermento representava a velha natureza que continha a maldade dos pensamentos, sentimentos e valores corrompidos pelo pecado.
Paulo fando sobre isso aos irmãos em sua primeira carta (1 Coríntios 5. 1-7) :
Consta geralmente que há fornicação entre vós, e tal fornicação qual nem ainda entre os gentios, de modo que há quem vive com a mulher de seu pai.
Estais vós inchados, e não pranteastes, para que fosse tirado do meio de vós aquele que tal ação praticou?
Pois eu, na verdade, ausente em corpo, mas presente em espírito, já tenho, como se estivesse presente, julgado aquele que assim se portou:
em nome do Senhor Jesus, congregados vós e o meu espírito, com o poder de nosso Senhor Jesus,
seja o tal entregue a Satanás, para a destruição da carne, a fim de que o espírito seja salvo no dia do Senhor.
Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda?
Purificai o velho fermento, para que sejais uma nova massa, assim como sois sem fermento. Pois, na verdade, Cristo, que é nossa páscoa, foi imolado.

CONSAGRAÇÃO DAS PRIMISSIAS
“O primeiro a nascer de cada ventre me pertence, todos os machos dentre as primeiras crias dos seus rebanhos: bezerros, cordeiros e cabritos. Resgate com um cordeiro cada primeiro jumentinho que nascer; mas se não o resgatar, quebre-lhe o pescoço. Resgate todos os seus primogênitos.

“Ninguém compareça perante mim de mãos vazias.

Não deveríamos ir cultuar a Deus de mãos vazias, essa foi a recomendação de Deus a Moisés; nossos ofertas alçadas e os dízimos representa que reconhecemos ao Senhor como proprietário legitimo de todas as coisas como expressa o escritor do livro de (Salmos 24. 1-4)
Do Senhor é a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele vivem; pois foi ele quem fundou-a sobre os mares e firmou-a sobre as águas. Quem poderá subir o monte do Senhor? Quem poderá entrar no seu Santo Lugar? Aquele que tem as mãos limpas…

Se apresentar a Deus para cultua-lo de mãos limpas, expressa que não roubamos ao Senhor, e aceitamos devolver com liberalidade o que é dEle, porque recebemos sem questionamentos a sua palavra como a expressão da verdade como regra de fé e prática (trazei..) Tragam o dízimo todo ao depósito do templo, para que haja alimento em minha casa. Ponham-me à prova", diz o Senhor dos Exércitos, "e vejam se não vou abrir as comportas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las. (Malaquias 2.17)

“Trabalhe seis dias, mas descanse no sétimo; tanto na época de arar como na da colheita.
O dízimo do tempo também não deve ser negligenciado. Se temos 24 horas no dia temos que dar o que é justo para Deus: 2h40 diária para sua adoração e serviço cristão, que manifeste a sua glória ao mundo dos perdidos, trazendo esperança.

CELEBRAÇÃO

Como podemos chegar ao final de uma semana sem um espírito de gratidão, que reconheça Deus como provedor e autor da vida. 

“Celebre a festa das semanas[b], na ocasião dos primeiros frutos da colheita do trigo, e a festa do encerramento da colheita, no fim do ano. Três vezes por ano todos os homens do seu povo comparecerão diante do Soberano, o Senhor, o Deus de Israel. Expulsarei nações de diante de você e ampliarei o seu território. Quando você subir três vezes por ano para apresentar-se ao Senhor, o seu Deus, ninguém cobiçará a sua terra.

SANGUE COM FERMENTO

“Não me ofereça o sangue de nenhum sacrifício misturado com algo fermentado, e não deixe sobra alguma do sacrifício da festa da Páscoa até a manhã seguinte.
Podemos aplicar perfeitamente essa orientação de Deus a Moisés para os nosso dias como igreja de Jesus Cristo, no ato da celebração da Ceia do Senhor: Como podemos beber do cálice da celebração que representa o seu sangue, tendo ainda em nos o fermento do pecado, que é descrito na carta de Paulo aos irmãos da Galácia - Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções
e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti, que os que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus. (Gálatas 5:19-21

“Traga o melhor dos primeiros frutos da terra ao santuário do Senhor, o seu Deus.

“Não cozinhe o cabrito no leite da própria mãe.”

Disse o Senhor a Moisés: “Escreva essas palavras; porque é de acordo com elas que faço aliança com você e com Israel”. Moisés ficou ali com o Senhor quarenta dias e quarenta noites, sem comer pão e sem beber água. E escreveu nas tábuas as palavras da aliança: os Dez Mandamentos.

O Rosto Resplandecente de Moisés
Ao descer do monte Sinai com as duas tábuas da aliança nas mãos, Moisés não sabia que o seu rosto resplandecia por ter conversado com o Senhor. Quando Arão e todos os israelitas viram Moisés com o rosto resplandecente, tiveram medo de aproximar-se dele. Ele, porém, os chamou; Arão e os líderes da comunidade atenderam, e Moisés falou com eles. Depois, todos os israelitas se aproximaram, e ele lhes transmitiu todos os mandamentos que o Senhor lhe tinha dado no monte Sinai.

Quando acabou de falar com eles, cobriu o rosto com um véu. Mas toda vez que entrava para estar na presença do Senhor e falar com ele, tirava o véu até sair. Sempre que saía e contava aos israelitas tudo o que lhe havia sido ordenado, eles viam que o seu rosto resplandecia. Então, de novo Moisés cobria o rosto com o véu até entrar de novo para falar com o Senhor.

Se tem crescido o numero de evangélicos na América Latina e não temos visto mudanças significativas na sociedade dessas nações, temos um explicação logica: As pessoas que professa a sua fé em Jesus, são apena crentes nominais, religiosos que não virão ao Senhor, não conhecem a sua glória.
Se a nossa fé não muda o nosso caráter, valores e comportamento como poderá mudar o mundo; a palavra de Deus faz a seguinte definição: "não se pode esconder uma lamparina em baixo da mesa". A questão que a aluz é impossível ficar escondida, em especial em um mundo cuja as trevas são densas e todos procuram pela luz do conhecimento de Deus. Para quem está nas trevas não precisa ser um luzeiro que brilha, pode ser uma luz de lede, e ai então compreendemos que a "luz que brilha de perto é a luz que brilha mais longe" 

terça-feira, 17 de abril de 2018

CELEBRANDO A ESPERANÇA



Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo! Conforme a sua grande misericórdia, ele nos regenerou para uma esperança viva, por meio da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança que jamais poderá perecer macular-se ou perder o seu valor. Herança guardada nos céus para vocês que, mediante a fé, são protegidos pelo poder de Deus até chegar à salvação prestes a ser revelada no último tempo.
1 Pedro 1:3-5

Introdução
Todos nós experimentamos e conhecemos de perto a dor de um coração partido, tendo como causa enfermidades, um sinistro, uma provocação ou sofrimento pela perda de um ente querido. O sentimento, o sofrimento é um fio comum de uma roupa que todos vestimos no dia da adversidade.

Considerando os escritos do Apostolo Pedro, o autor desta carta, escreveu aos cristãos que viviam na Ásia Menor (atual Turquia). Como um modo de encorajá-los, e ele se identificam com aqueles que vivem na luz de seus relacionamentos com Deus.
1-      Pedro começa dizendo que eles foram escolhidos para fizerem parte da família de Deus, pelos méritos de Jesus, por causa da sua infinita graça;
a.       Ele pede para eles observarem, que por meio do sangue derramado na cruz, entraram na iniciação da aliança por meio da aspersão do sangue, que traz a cura da lepra do pecado, que produzia uma separação (êxodo 24:5-8).
2-      Por meio desta declaração aos crentes da Ásia Menor, podemos entender que pelo fato de sermos gerados de novo, também faz parte dessa aliança, os que entraram no processo de restauração por meio da aspersão do sangue de Cristo; o novo nascimento (1Pe 1:10-11).
3-       
Esperança que excede o sofrimento.
O Apóstolo diz aos irmãos da Ásia Menor, que eles foram eleitos para:
-Presciência de Deus. “Presciência” traduz o termo grego pró·gno·sis (de pro, antes, e gnoses, conhecimento). O verbo aparentado é empregado em dois casos com respeito aos seres humanos: na declaração de Pedro diz respeito ao “conhecimento adiantado” que possuíam aqueles a quem ele dirigia sua primeira carta.
Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos estrangeiros dispersos no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia; Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça e paz vos sejam multiplicadas.
1 Pedro 1:1,2

As coisas que devemos saber a respeito desses “desconhecidos” dispersos que estavam enfrentando um período de sofrimento e de perseguição; Pedro escreveu para “encorajá-los a darem bom testemunho aos seus perseguidores”. Embora, estivessem sendo expostos ao vitupério e sofrimento por causa da sua fé em Cristo.

As provações revelam o nosso desamparo, mas a dor finca a bandeira da fé em um coração dilacerado. A dor nos ensina a ter compaixão dos desafortunados pela frieza das adversidades. Aprendemos a lição de casa: "Alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram"  (Romanos 12.15).
As provações vêm em uma variedade de formas e cores. No entanto Deus oferece para cada sombra de tristeza um raio de luz e esperança.
Vejamos o que diz o Apóstolo Paulo no dia da sua aflição:
Para impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza dessas revelações, foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para me atormentar.
Três vezes roguei ao Senhor que o tirasse de mim.
Mas ele me disse: "Minha graça é suficiente a você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza". Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim.
Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco, é que sou forte. (2 Coríntios 12:7-10)
Deus respondeu a Paulo em sua dor. “Minha graça é suficiente, você vai suportar a dor desse espinho”.

“Quando ouvimos a voz doce, mansa e suave de Jesus, que desceu ao inferno, mas também subiu, as variações da temperatura da fornalha são ajustadas, apenas para queimar as impurezas do ouro que está sendo refinado”.
O fogo revela o brilho escondido do metal ou pedras preciosas. É importante observar que a lapidação é uma pena de morte para as rugosidades superficiais, que uma vês retiradas revelam a grandeza de uma superfície Liza e reluzente. O fogo não é o fim processo, depois a pesa receberá forma e um polimento. Todo o processo de lapidação tem como elementos essenciais: Água, óleo e fogo.

Água, óleo e fogo é uma mistura explosiva.
O corpo de pombeiros adverte:
Nunca, nunca mesmo jogue água em uma panela de óleo pegando fogo. A água vai transformar em vapor rapidamente, expandir e projetar pequenas gotículas de óleo para cima criando uma chama gigantesca que pode causar um incêndio de grandes proporções e queimaduras gravíssimas.

ü  Interessante, o que podemos aprender com esses elementos naturais, para serem aplicados no âmbito espiritual?
Vamos ver o que a palavra de Deus nos revela a respeito do significa da água. A Palavra de Deus é Água que Quebranta Todo Coração de Pedra! Para santificá-la, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, (Efésios 5:26).
A Palavra de Deus é água que santifica, purifica e lava! Ou seja, a Palavra de Deus santifica, molda e liberta o homem e aquebranta o coração humano!
Ele é mais penetrante que qualquer espada de dois gumes (Hebreus 4:12 )! A palavra “água” atravessa as dimensões do corpo humano, da alma e do espírito e vai se fixar na medula.

ü  ÓLEO, AZEITE - Nas escrituras o óleo aparece como um símbolo do Espírito Santo.
O Espirito Santo é apresentado na Bíblia por figuras simbólicas, que são exemplos ou metáforas. São figuras de linguagem que lubrificam os nossos ouvidos para entender as verdades da palavra de Deus.
Após o diluvio, a pomba trouxe um ramo de oliveira como demonstração de que as águas haviam baixado na terra, curiosamente o ramo representava a oliveira que se extraia o azeite (óleo) usado para alimentar, iluminar, lubrificar, curar as enfermidades, suavizar a pele, etc. Da mesma maneira o Espírito Santo alimenta, ilumina, lubrifica cura e suaviza a alma, glória a Deus pelo dom do Seu Espírito Santo.
O azeite, também era usado para dar legitimidade e revestir de autoridade o rei, é também apresentado por figura de linguagem como “selo da promessa”, legitimando a qualidade e garantia do novo nascimento.

ü  Espirito Santo como fogo.
“““ ““ Em Atos 2:3” E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles”. Vemos que o fogo era um sinal da presença do Espírito. Vemos no Velho Testamento que o fogo é uma evidência da presença do Senhor (Êxodo 3:2 “Ali o Anjo do Senhor lhe apareceu numa chama de fogo que saía do meio de uma sarça. Moisés viu que, embora a sarça estivesse em chamas, não era consumida pelo fogo”). Talvez, todas essas ideias estejam incluídas em Atos 2:3.
Em Apocalipse 4:5, o Espírito é simbolizado por sete lâmpadas de fogo. O número sete tem confundido algumas pessoas, mas parece referir-se ao perfeito conhecimento dado a Cristo, o ungido de Deus (Isaías 11:1-4; Apocalipse 5:6).

Então porque podemos regozijar-nos em meio à dor? Como podemos ter esperança apesar sofrimento? Porque temos uma viva esperança!
o   Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês. (1Pedro 5:7)
o   Lançando: arremessando; arrojando; atirando; disparando; impelindo; impulsionando.
o   Lançar: v.t. Atirar com força, arremessar: lançar uma pedra.
Fazer cair.
Lançando as Redes no Lugar Certo.
Muitas pessoas colocam o seu coração e suas esperanças no lugar errado, e isso acabam por gerar um sentimento de tristeza e fracasso.
Somos desafiados por Jesus a “lançar”, essa não é uma figura de linguagem más literal. Se olharmos para Pedro, ele laçou a rede depois de uma noite de fracasso. Lançar depois da exaustão, cansaço, tristeza, aflição; lançar é sair do enrosco do coração, passando pela renovação da mente para encontrar outra forma de pescar e ai sim experimentar o que Deus tem reservado pra você (Romanos 12:2).

“Lançai sobre ele”
É ele mesmo que está dizendo e autorizando você arremessar toda a vossa ansiedade. Quem sabe você tem arremessado no lugar errado? Ele suporta o peso do arremesso, quando diz: "Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e meu fardo é leve.” (Mateus 11:28-30)
O convite feito aqui é captado por três palavras: "Vinde a mim"
1-Chegar; 2-Entender; 3- Aparecer.
“Vinde” = Caminhar-se em direção; Escutar e chagar a tempo oportuno.
Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as firmes beneficências de Davi. Os benefícios de Davi foi ter vencido um gigante de três metros de altura, e com uma pedra caiu por terra o seu inimigo mortal. O gigante Golias não se levantou contra ele e o povo de Israel para destruí-los, embora fosse essa a sua intenção; havia um propósito divino por trás daquela guerra, daquela perseguição; ao meu entender o propósito era glorificar a Deus e fortalecer a fé que estava florescendo no coração de Davi
Depois de passarmos pelo vale da sombra da morte, enfrentado uma doença gravíssima como Ezequiel, uma chaga mortal, não teve um sentimento de conformidade, mas orou ao Deus do Céu e foi ouvido e teve um acréscimo de mais 15 anos em sua existência e peregrinação na terra.


Outro exemplo muito conhecido foi o de Jó. A história de Jó fala de adversidades que estão fora do nosso controle, embora Jó fosse um homem reto, temente a Deus e que “desviava do mal”, declaração feita pelo próprio Deus.
Como conhecemos a história de Jó, ele perdeu todos os seus bens e de uma só vez morreram seus dez filhos e, para piorar a situação Jó perdeu a saúde, ficou como um trapo humano, cheio de feridas da cabeça aos pés, diz a história que saia bichos de suas feridas. Todavia, no final daquela grande adversidade Jó entendeu o porque daquilo tudo, ele declarou: Verdadeiramente eu te conhecia de ouvir falar, mas agora os meus olhos te veem”.” Deus conheceu a Deus na adversidade e no sofrimento”.


Portanto, havendo sido justificados pela fé, temos paz com Deus, por meio do nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem obtivemos pleno acesso pela fé a esta graça na qual agora estamos firmados, e nos gloriamos na confiança plena da glória de Deus. Mas não somente isso como também nos gloriou nas tribulações, porque aprendemos que a tribulação produz perseverança; a perseverança produz um caráter aprovado; e o caráter aprovado produz confiança. E a confiança não nos decepciona, porque Deus derramou seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que Ele mesmo nos outorgou.(Romanos 5:1-5)
Com fé podemos celebrar a vida com esperança!

QUE DIFERENÇA FAZ A MENSAGEM DA BOA NOVA PRA VOCÊ?



(...) Você sabe muito bem que ele é bom e que quer fazer com que você mude de vida. (Rm 2.4b)

Princípio:
Deus quer transformar a nossa vida.
Nosso alvo:
Devemos saber: Que Deus quer transformar a nossa vida;
É importante sentir: O desejo de ser transformado pela palavra de Deus;
Devemos praticar: Reconhecendo que precisamos ser transformados diariamente.

Informação:
1-Paulo declara que Deus é justo e recompensará cada um de acordo como o que faz.
2-Deus deseja transformar o nosso coração teimoso e endurecido.
3-O homem reconhece a lei, mas isso não faz diferença na sua vida prática.
4-Deus honra apenas aqueles que são obedientes e fizerem o bem.

Introdução:
Vivemos tempos de um sincretismo religiosos de proporções gigantescas e nossa cultura é essencialmente mística. O errado torna-se natural e o errado e o certo. Observamos que as situações descritas pelo apóstolo condizem com a nossa realidade. O homem continua o mesmo, só mudam a época e o local. Isso reflete na atualidade condição do homem, em que o mal está arraigado em seu coração e em sua espécie de vida, a qual revela atitudes de um estado pecaminoso.
Essa situação é sem dúvida a causa da pouca transformação na vida de muitas pessoas. Observamos que valores ruins não são substituídos por valores bons, são apena agregados. Paulo luta contra isso.
Encontramos na carta de Paulo, sobre tudo no capitulo 2 aos romanos, um enorme esforço para mostrar a seus leitores o quanto o coração humano é duro e teimoso.
“Quem pode entender o coração humano”? Não há nada que engane tanto como ele; está doente demais para ser curado. Eu, o Senhor, examino os pensamentos e ponho à prova os corações. “Eu trato cada pessoa conforme a sua maneira de viver, de acordo com o que ela faz.”
O homem que ganha dinheiro desonestamente é como a ave que choca ovos que não botou; durante a sua vida, ele perde as suas riquezas e no fim não passa de um tolo. ( 17.9 -11)

Porque é do coração que vêm os maus pensamentos, os crimes de morte, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, as mentiras e as calúnias. (Mt15.19)

Mudança de valores.
Paulo deseja nos ajudar a compreender que o que faz diferença não é o quanto somos religiosos, mas o que é relevante são  os nossos valores morais, éticos e espirituais que manifestam que Cristo Jesus é o dono de nossas vidas; o meu Senhor a quem presto contas dos meus atos. A mensagem de Paulo aponta que precisamos abrir mão das discussões em torno de quem está certo ou quem está errado e abrir espaço para mensagem da Cruz e os frutos do Espírito Santo,  tendo uma vida com desejos  intencional  de  ingressarmos na escola de aprendiz de discípulos de Jesus.



Aquele que quiser ser o maior seja o menor;
Aquele que quiser ser o primeiro sirva a todos;
Aquele que quiser vir após mim tome a sua cruz e siga-me.


A palavra chave desse capítulo é não julgar – pronunciar uma opinião relativa ao certo ou errado. E fazemos isso todo o tempo, voluntária ou involuntariamente, por meio de palavras, gestos ou mesmo por atitudes. Na verdade, sempre vamos encontrar as opiniões que nos acomodem ou nos confortem. No entanto precisamos saber que transformação de vida envolve crise.  David Kornfield, em seu livro “ O líder que brilha”, diz que a crise é o grande promotor das mudanças. Precisamos então limpar as nossas feridas sem medo, enfrentar nossos conflitos corajosamente,  ou seja as áreas escura da nossa vida e permitir que Deus ilumine e transforme completamente.

A palavra de Deus está nos ensinando que o Senhor Jesus é transformação e vida, e que religião não muda o nosso  coração, apenas agrega valores. Agregar valores não produz mudança de vida, mas, apenas nos permite colocar esparadrapos em  uma ferida infeccionada pela sujeira do pecado.  Quando nos encontramos com a luz do conhecimento  e a água da palavra, ficamos completamente limpos.
 "Vinde, pois, e arrazoemos, diz o SENHOR; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã." Isaías 1:18. Na língua portuguesa a palavra arrazoar é um verbo transitivo direto, que quer dizer: Vamos argumentar conversar sobre isso e fazendo uma avaliação; outras palavras quer dizer: vamos aprender as razões...

Arrazoar - expondo razões ou pontos de vista
“Ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata ... ainda que sejam vermelhos como o carmesim”: É interessante notar que, pelo passar dos anos, os pregadores comparam o pecado à cor ‘preto’. A Bíblia não faz assim. As Escrituras usam duas tonalidades de vermelho, como aqui nesse versículo, para representar o pecado. “Escarlata” é uma cor derivada de insetos, um inseto em particular muito nojento. A ‘carmesim’ é o próprio inseto, ou larva, que nasce no meio de decomposição orgânica.
Deus deseja que vejamos o pecado conforme a podridão que é. Na verdade, para ser verdadeiramente arrependido, é necessário perceber o pecado como vil. “Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te vêem os meus olhos. Por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza” (Jó 42.5,6).
“Se tornarão brancos como a neve ... se tornarão como a branca lã”: O contraste feito pelas Escrituras também expressa a mudança que a salvação faz. Há diferença entre o perdão do pecado e a purificação do pecado. Se pecar contra mim e perde perdão, eu devo lhe perdoar (Mt 18.21,22).

 Por isso, aproveite a oportunidade para se colocar a disposição do Espirito Santo nas área que ainda estão escuras na sua vida, permita que Ele percorra o caminho do seu coração, levando-o também no seu quarto de despejo, fazendo a mesma oração do Salmista que diz: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno.” 139.23,24
Arrazoar é mais de uma concordância mental à verdade e, é mais de uma experiência emocional. É obediência de um coração rendido plenamente à Palavra de Deus, uma obediência manifesta pelo arrependimento do pecado e a fé em Cristo Jesus como Senhor e Salvador.


Páginas